Thaumetopoea pityocampa Schiff.
Lepidopetra, Thaumetopoeidae

ASPECTOS GERAIS
Trata-se de um insecto desfolhador dos pinheiros e cedros.

Os ataques variam de intensidade de acordo com os seus níveis populacionais, fortemente influenciados pelas condições climáticas.
Em termos de produção lenhosa, verifica-se uma redução do crescimento das árvores no período em que ficam desfolhadas. No entanto, à excepção de ataques sucessivos em árvores jovens, estas em geral recuperam e não morrem.
Em termos de saúde pública, a processionária pode representar, no entanto, um problema sério, sobretudo em anos de níveis populacionais elevados e junto a locais habitados.
Os ataques variam de intensidade de acordo com os seus níveis populacionais, fortemente influenciados pelas condições climáticas. Em termos de produção lenhosa, verifica-se uma redução do crescimento das árvores no período em que ficam desfolhadas. Como todos os insectos, desenvolve-se passando por fases que são:

- Ovo
- Lagarta
- Pupa ou crisálida (casulo)
- Insecto adulto (borboleta)

As lagartas passam por 5 estádios de crescimento.
A partir do 3.º estádio possuem pêlos urticantes que causam alergias na pele, globo ocular e aparelho respiratório.
Estas alergias são sempre muito desagradáveis e podem ter consequências graves, dependendo da sensibilidade do indivíduo atingido.

A lagarta do pinheiro, vulgarmente apelidadas de lagartas Processionárias - com o nome científico Thaumetopoea pityocampa - é um insecto desfolhador dos pinheiros e cedros. Como tal, leva a um enfraquecimento da árvore e consoante o grau de ataque poderá causar-lhe a morte.

A processionária do pinheiro, além de provocar estes danos nas árvores, pode também originar graves problemas de saúde pública. Devido à característica urticante dos seus pêlos provoca alergias na pele, no globo ocular e no aparelho respiratório no Homem e pode originar o mesmo em animais domésticos.

Os ataques variam de intensidade de acordo com os níveis populacionais das lagartas, que são fortemente influenciados pelas condições climáticas.

O Ciclo Biológico da Processionária

O ciclo biológico da processionária completa-se, geralmente, num ano, distinguindo-se duas fases: uma aérea na copa dos pinheiros e outra subterrânea, no solo.
Como todos os insectos, o desenvolvimento da lagarta passa por diferentes estádios. As lagartas de processionária passam por cinco estádios, e é a partir do 3º estádio que se tornam perigosas para a saúde pública.
Lagartas nos 1º e 2º estádios de crescimento
Normalmente ocorre no período do Outono (meados de Setembro/finais de Outubro).

As lagartas jovens vivem em ninhos provisórios, que vão sendo abandonados até à formação de um ninho definitivo (ninho de Inverno), onde aí vivem em colónia e se protegem das baixas temperaturas.
Neste estádio, os tratamentos químicos são bastante eficazes. Normalmente, são usados dois grupos de produtos, sendo estes de baixa toxicidade e inócuos para o ambiente, são estes:

Diflubenzurão- São inibidores do crescimento, sendo o mais usado o Dimilin;
Insecticidas microbiológicos- à base de Bacillus thurigiensis;
Lagartas nos 3º ao 5º estádio
Normalmente ocorre no período de Inverno.
Processionária2
As lagartas neste estádio estão em crescimento activo, constrõem os ninhos de Inverno -tendo um aspecto de novelo de seda - e mantêm os hábitos de alimentação nocturna, permanecendo no ninho durante o dia (este funciona como acumulador térmico).

Processionária